Copa do Mundo do Qatar vetará bandeiras de arco-íris: “Não podem mudar a religião por 28 dias de Copa”

A organização da Copa do Mundo do Qatar, que será disputada entre novembro e dezembro deste ano, avisou nesta sexta-feira (01/04) que não irá tolerar bandeiras de arco-íris nas arquibancadas dos seus estádios. De acordo com Abdulaziz Abdullah Al Ansari, major-general do país, o principal símbolo de manifestação do movimento LGBTQIA+ não terá espaço nos jogos do mundial. A homossexualidade e o casamento entre pessoas do mesmo gênero são proibidos na região.

Se ele (um torcedor) levantou a bandeira do arco-íris e eu a peguei dele, não é porque eu realmente quero insultá-lo, mas para protegê-lo. Porque se não for eu, alguém ao redor dele pode atacá-lo… Não posso garantir o comportamento de todo o povo. E eu direi a ele: ‘Por favor, não há necessidade de levantar essa bandeira neste momento'”, disse Al Ansari a agência de notícias AP. “Você quer demonstrar sua visão sobre o movimento, demonstre-a em uma sociedade onde ela será aceita. Assista ao jogo. Isso é bom. Mas não venha e insulte toda a sociedade por causa disso“, continuou.

Diretor do Departamento de Cooperação Internacional e presidente do Comitê Nacional de Contraterrorismo do Ministério do Interior, ele também afirma que o grupo é bem vindo no Qatar. Mas ressalta que as leis não podem ser mudadas. “Reservem o quarto juntos, durmam juntos… Isso é algo que não é da nossa conta. Estamos aqui para administrar o torneio. Não vamos além das coisas pessoais individuais que podem estar acontecendo entre essas pessoas… esse é realmente o conceito. Aqui não podemos mudar as leis. Você não pode mudar a religião por 28 dias de Copa do Mundo“, pontuou.

Perguntado se não via razão para que fãs da Copa pudessem se sentir ofendidos, Ansari afirmou que não está cometendo uma ação discriminatória. “Estou arriscando uma visão de uma inoria contra uma maioria. Nós precisamos verificar de perto problema antes que ele exploda e saia do controle. Se alguém te atacar, então eu vou ter que me envolver e será tarde demais”.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!