Travesti nordestina morou nas ruas do Rio e foi abusada: “Tenho trauma até hoje de estar na rua”

Conversamos com Maria Mateus de 22 anos! Ela é uma mulher travesti nordestina de 22 anos, que começou sua descoberta ainda na infância, mas foi muito repreendida na família, que hoje não tem praticamente nenhum contato. Ela veio para o Rio e precisou morar nas ruas: “Optei por ser solitária e ser só também me tornou forte”. Maria entende que ser travesti por si só é um ato política e usa esse termo em seu trabalho, mas não quer ser a única: “Estar sozinha na empresa não é vitória pra mim”. Ela relembra um caso de violência que sofreu quando morava nas ruas, em que foi abusada e foi ajudada por um casal gay.

Confira

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!