Escolas católicas orientam crianças trans a agir com “seu sexo biológico”

EUA – As escolas católicas em Worcester, Massachusetts, emitiram uma nova política que ordena que os alunos usem seus nomes e pronomes atribuídos no nascimento e se comportem de maneira “consistente com seu sexo biológico”, de acordo com um comunicado divulgado pela diocese local em 15 de agosto.

A política afeta mais de 5.000 alunos em 21 escolas na cidade 45 milhas a oeste de Boston. Embora a orientação afirme que o bullying e o assédio com base na orientação sexual ou identidade de gênero “não serão tolerados”, a política continua dizendo que “os alunos não podem defender, celebrar ou expressar atração pelo mesmo sexo de forma a causar confusão ou distração no contexto de aulas, atividades ou eventos de escolas católicas”.

“Não servimos ao bem maior de ninguém falsificando a verdade, pois é somente a verdade que nos liberta para a vida plena que Deus oferece a cada um de nós”, disse a diocese. A orientação estrita contrasta com o espírito das declarações emitidas pelo Papa Francisco, que perguntou “Quem sou eu para julgar?” quando questionado sobre padres gays na igreja.

No início deste ano, o Papa Francisco disse: “Ser homossexual não é crime”. Apesar desses sentimentos, a diocese cita Francisco para argumentar a favor da política discriminatória. “Como observa o Papa Francisco, devemos sempre respeitar a dignidade sagrada de cada pessoa, mas isso não significa que a Igreja deva aceitar as noções confusas da ideologia secular de género.”

A nova política foi aprovada pelo bispo Robert J. McManus, conhecido em Worcester por sua ortodoxia religiosa. No ano passado, McManus ganhou atenção nacional por retirar a designação católica da Nativity School of Worcester, administrada pelos jesuítas, depois que os líderes se recusaram a abaixar as bandeiras Black Lives Matter e Pride.

Em Worcester, Joshua Croke, presidente da organização sem fins lucrativos LGBTQ+ Love Your Labels, classificou a nova política do bispo como nada surpreendente e prejudicial. “Ele tem uma longa história de práticas e posições anti-LGBTQ”, disse Croke ao The New York Times. A política doutrinária é uma ordem para que as crianças “fiquem no armário”, disse Croke.

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!

Bee 40tona

Você vai curtir!