Comunidades de ursos e couro têm um grande problema de racismo, diz pesquisador

As comunidades de ursos e couro são as subculturas dentro da comunidade LGBTQ+ mais amplas e embora encorajem pessoas que normalmente são discriminadas fora da cultura queer dominante, muitas vezes têm as suas próprias políticas internas discriminatórias com base na cor da pele. Artigos documentaram preocupações sobre ursos celebrarem corpos mais pesados, as comunidades de couro concentrarem-se numa estética derivada de Tom da Finlândia, mas ambas com história de relações raciais controversas, por exemplo, grupos no Facebook que negaram explicitamente a entrada em comunidades de cor, diz Ali Mushtaq para o LGBTQNation.

Em conjunto com várias microagressões, as comunidades leather tendem a privilegiar a branquitude em costumes baseados no racismo, incluindo alguns fetiches sexuais: “Durante o ano em que participei do Internacional Mister Leather, no ciclo 2016-2017, um autor anônimo escreveu um artigo discutindo como a comunidade historicamente marginaliza homens negros, destacando que alguns membros da comunidade leather alegam que variedade de raça, gênero e outros atributos enfraquece o “pool genético” do grupo dentro da comunidade”, disse Mushtaq.

“Embora esse concurso tenha desde então diversificado os seus vencedores, concorrentes e juízes, o espírito de que a branquitude é valorizada nestes espaços permanece. Quando visitei a Fundação Tom of Finland em Los Angeles, vi que a porta de sua sala de jogos (um lugar onde ocorre atividade sexual/pervertida) continha símbolos da supremacia branca, como aparks SS, suásticas, a sigla “WPWW ”(Poder Branco em todo o mundo), e o Valknut”, ressalta.

Para Mushtaq, a supremacia branca está incorporada nas comunidades de ursos e de couro; no entanto, é importante notar que estas comunidades geram centenas de milhares de dólares em receitas todos os anos e são partes essenciais da indústria do turismo gay e relata que participou de eventos de ursos e couro no mundo todo entre 2016 e 2018 em em todos eles presenciou racismo, antissemitismo, etarismo e misoginia, mesmo essas pessoas pagando preços altos para fazerem parte dos eventos: “é como se a comunidade dissesse ‘não precisamos do seu dinheiro”.

Em 2022, o Touche, um bar de couro em Chicago, realizou um evento onde a atuação de um marionetista apresentava uma performance zombando das mulheres negras. Em resposta, ONYX, um grupo leatherman de cor, emitiu demandas que incluíam a demissão do gerente que permitiu a realização da apresentação e a criação de um comitê de revisão do evento, mas nada foi feito e o bar continuou em atividade, sendo frequentado majoritariamente por homens gays brancos, mesmo Chicago tendo uma população negra significante.

Mushtaq diz que continuar a permitir que empresas e organizações discriminem pessoas de cor em comunidades queer mantém, em última análise, um sistema onde as pessoas de cor são cidadãos de segunda classe e elas perdem a capacidade de existir em espaços queer e que a única maneira de começar a prevenir o racismo e a discriminação nestas comunidades é começar a responsabilizar os proprietários de empresas e organizadores de eventos pelas suas ações.

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!

Bee 40tona

Você vai curtir!