Grindr é acusado de compartilhar status de HIV dos usuários com empresas de publicidade

Acusado de violação de dados, o Grindr está enfrentando uma onda de processos no Reino Unido por suposto compartilhamento de dados, incluindo o status de HIV e a data do último teste de HIV, sem a permissão de usuários.

A denúncia foi trazida à tona pela Austen Hayes, um escritório de advocacia que iniciou o processo no Tribunal Superior de Londres. De acordo com as alegações, milhares de usuários do serviço no Reino Unido poderiam ter sido afetados por essa falha na proteção de dados. Esta não é apenas uma questão de privacidade, mas um alarmante risco de segurança para membros do aplicativo.

Segundo informações do jornal britânico The Guardian, os dados teriam sido compartilhados com duas empresas de publicidade. O escritório de advocacia diz que o Grindr permitiu o acesso às informações privadas dos usuários do aplicativo, violando assim a lei local, e que essas informações podem ter sido revendidas também a outras empresas.

As ações se concentram em períodos anteriores a 3 de abril de 2018 e entre 25 de maio de 2018 e 7 de abril de 2020. Ou seja, novos usuários do app não conseguirão aderir à ação, afirma a publicação britânica. “Nossos clientes experimentaram uma angústia significativa pelo fato de suas informações altamente confidenciais e privadas serem compartilhadas sem o seu consentimento, e muitos sofreram sentimentos de medo, constrangimento e ansiedade como resultado”, diz o escritório.

“O Grindr deve isso à comunidade LGBTQ+, pois serve para compensar aqueles cujos dados foram comprometidos e sofreram problemas como resultado, e para garantir que todos os seus usuários estejam seguros ao usar o aplicativo, onde quer que estejam, sem medo de que seus dados possam ser roubados ou compartilhada com terceiros”, acrescentou.

O Grindr se defende. “Estamos comprometidos em proteger os dados de nossos usuários e em cumprir todas as regulamentações de privacidade de dados aplicáveis, inclusive no Reino Unido. Estamos orgulhosos do nosso programa global de privacidade e levamos a privacidade muito a sério. Pretendemos responder vigorosamente a esta afirmação, que parece basear-se numa descaracterização de práticas de há mais de quatro anos, antes do início de 2020”, disse a plataforma ao Guardian.

Felipe Sousa

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!

Você vai curtir!