Estudo revela que filhos criados por pais gays não sofrem com desenvolvimento psicossocial

Um estudo publicado pelo periódico Developmental & Behavioral Pediatrics provou que crianças criadas por pais do mesmo sexo não apresentam alteração no seu desenvolvimento psicológico e social. A sexualidade dos pais não apresenta relação com as características primordiais dos jovens.

O estudo contou com a participação de três grupos de pais italianos: um com 70 pais homossexuais que obtiveram seus filhos através da adoção, outro com 125 mães lésbicas que tiveram seus filhos através da inseminação artificial, e o último grupo apresentava 195 casais heterossexuais que tiveram seus filhos através da concepção tradicional.

Seus filhos tinham de três a onze anos de idade, e foram todos comparados uns com os outros. Então, os pesquisadores pediram para que os pais respondessem um questionário acerca de suas habilidades parentais, laços familiares, e também sobre o quanto ajustavam suas rotinas e realidades para a criação dos filhos.

Os resultados dos pais de todos os grupos foram comparados e chegou-se à conclusão de que o esforço colocado na criação entre os pais é praticamente o mesmo. Além disso, crianças com pais do mesmo sexo apresentam menos dificuldades em questões cotidianas do que crianças com pais heterossexuais.

“A estrutura da família não define o destino físico e psicológico da criança. O que define são os processos familiares, e o relacionamento entre todos”, afirma Roberto Baiocco, autor do estudo, em entrevista ao periódico.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!