Suspeito de matar mulher transexual em Sorocaba confessa crime, mas é liberado

A Polícia Civil identificou o homem suspeito de matar uma mulher transexual a facadas após uma discussão em um bar na zona norte de Sorocaba (SP). Segundo a delegada titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Luciane Bachir, ele confessou o crime.

Ainda de acordo com a delegada, como não houve flagrante, após ser ouvido, o homem foi liberado. A prisão fica a critério da Justiça em atender ao pedido da polícia. Segundo o G1, a delegada explicou que não há indícios de crime de homofobia ou transfobia. A investigação chegou a essa conclusão porque não houve divergências nos depoimentos das testemunhas e na confissão do criminoso.

De acordo com Luciane, a vítima foi ferida com um canivete depois de uma discussão. Segundo os relatos, o homem estava saindo do bar quando encontrou uma moça e começou a conversar com ela. Nesse momento, conforme a investigação, Samira teria se exaltado e exigido que a mulher deixasse o local. Em seguida, informou a delegada, o homem questionou a atitude de Samira. A transexual teria quebrado uma garrafa e atingido o homem, que teve ferimentos no rosto. No mesmo momento, ele pegou um canivete e a atingiu.

Segundo relatos feitos à investigação, o homem deixou o local e só depois soube da morte da jovem. De acordo com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Samira levou duas facadas na axila e teve uma parada cardiorrespiratória. A equipe chegou a reanimar a vítima, que foi levada para o Hospital Regional, mas não resistiu aos ferimentos. O corpo de Samira Moreno foi enterrado durante a tarde de sábado, no Cemitério da Consolação.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!