Bolsonaro corta incentivo a turismo LGBT de Plano Nacional

O governo publicou nesta quarta-feira (15/05), em edição do “Diário Oficial da União”, o decreto que aprovou o Plano Nacional de Turismo 2018-2022. O novo texto retira o incentivo ao turismo LGBTQ+.

O plano original, elaborado na gestão do então ministro Marx Beltrão, e assinado durante o governo de Michel Temer, previa “sensibilizar o setor para a inclusão das pessoas idosas e do público LGBT no turismo”. Agora, elas se restringem ao público idoso sem nenhuma menção ao público gay. Em abril deste ano, durante um café da manhã com jornalistas, no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro disse que o Brasil “não pode ser o País do turismo gay”.

O plano original, ainda disponível no site do ministério, explicava que os turistas LGBT representam 10% dos viajantes no mundo e movimentam 15% do faturamento do setor, segundo dados da OMT (Organização Mundial do Turismo). “Essa visão traz, para além dos benefícios econômicos, benefícios sociais que se expressam tanto para os destinos como para os viajantes LGBT. O destino pode associar sua imagem à tolerância, inclusão e diversidade e o turista LGBT tem sua experiência melhorada em um ambiente amigável e preparado para recebê-lo livre de preconceito”, dizia o texto.

Vale lembrar que, segundo levantamento do Sebrae publicado no início do ano, o Brasil é o país da América Latina com maior potencial de crescimento de receitas com o turismo gay.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!