Seketh Bárbara, a Titia POC do Maranhão, lança seu primeiro álbum

Ta pensando que POC é bagunça?

“Quem foi que disse que pra ser poc tem que ser afeminada? Pra ser poc, basta ser maravilhosa, esplendorosa, um escândalo”. É assim que começa o 1º álbum da drag cantora Seketh Bárbara. “POC” foi lançado na última sexta, dia 26/07, e conta com participações MC Xuxú, Bethy Maranhão, Enme e, inclusive, do carioca M4RV!N, que não só emprestou sua voz pra faixa Aparelhagem, como também é responsável pela coautoria do álbum.

Whallassy Oliveira, atualmente com 40 anos, natural de Imperatriz (Maranhão), ficou conhecido Brasil a fora, em 2016, com música Bicha Pague o Meu Dinheiro, versão de Bitch Better Have My Money da Rihanna. Porém, essa não era a primeira vez que Seketh fazia uma versão de um mega hit internacional, 6 anos antes, em 2010, ela lançou no seu canal no YouTube, com participação do Rapper LCD, o clipe de Me Trocou, versão de Halo da Beyoncé.

Depois daquele estouro, ainda em 2016, a cantora lançou o EP “Seketh Bárbara” com 4 faixas, que tem versões de músicas da Madonna, Demi Lovato , BLACKPINK e Rihanna. Suas primeiras faixas autorais (sem ser versão) veio no ano seguinte, “Mona Ostentação”, seguida de “Homão da Porra”.

Seketh (seu apelido de infância – por sempre ter um biotipo mais sequinho) fez sua primeira ‘aparição’ há 12 anos, em 2007, num espetáculo da companhia de teatro Okazajo, do qual faz parte até hoje. E de lá pra cá, Seketh Bárbara tem se misturado completamente ao dia-a-dia do publicitário, editor de vídeo, radialista e ator.

Com exclusividade, fizemos uma entrevista com a própria Titia (apelido de Seketh na cena) e M4RV!N, que juntxs, compuseram e produziram o álbum “POC”. Confira então mais um hino de exclusiva do Pheeno:

Como rolou a conexão entre Seketh e M4RV!N? Como vocês se conheceram e começaram esse processo?
Seketh: “Nos conhecemos através do Instagram, um dos produtores tinha abandonado o projeto e eu estava desesperada pra encontrar outra pessoa pra trabalhar comigo, tanto com letras como com composições, alguém que me direcionasse, sacas? Vi o trabalho do M4RV!N e curti muito, ele já acompanhava a Seketh, então tudo foi se conectando. Ele naturalmente me ajudou com algumas composições, me ajudou muito com algumas ideias e nesses papos surgiu da gente fazer a nossa faixa, justo por essa afinidade. Os outros feats ficam por conta de MC Xuxú, Enme e Bethy Maranhão”.
M4RV!N: “Eu já conhecia o trabalho da Seketh há algum tempo, acompanhei alguns lançamentos e era viciado em ‘Bicha Pague Meu Dinheiro’, até que um dia a Titia me notou. Trocando uma ideia, ela me disse que estava sem compositores e produtores, então eu me ofereci pra ajudar”.

Por que esse feat. Com um artista carioca? De onde surgiu essa parceria?
Seketh: “O Rio respira cultura e saber que tem um artista tão talentoso como o M4RV!N atiçou minha vontade de fazer um feat, mas a ideia não é de graça não, (é) fazer a mistura de culturas: olha que legal(!), um carioca e uma maranhense cantando um ritmo do Pará. É justamente sobre isso que ‘Aparelhagem’ fala: mistura”.
M4RV!N: “É muito louco pensar que um carioca escreveu um ‘bregão,’ né? Costumo dizer que misturar o Rio e o Maranhão deu um caldo maravilhoso , ‘Aparelhagem’ tá aí pra provar isso”.

Sobre o processo de produção álbum, você já chegou com uma ideia pronta e, juntxs, seguiram a diante, ou houve muitas mudanças da sua ideia inicial, até a finalização das faixas?
Seketh: “Ixeee! Foi só o que aconteceu. Ideia inicial, mundo de mudanças e finalização. Quem trabalha com capricho sempre tem alguma observação pra fazer e eu sou bem chatinha com relação ao que vou apresentar aos meus admiradores. Os produtores que trabalharam comigo que o digam (risos)!”.
M4RV!N: “Vou falar um pouco da minha experiência com esse projeto. A princípio ‘POC’ seria um EP, mas a coisa tomou outras proporções e quando vimos, era um álbum, tinha que ser um álbum. Foi um enorme prazer participar desse processo e ver agora nosso filho nascer. Foi feito com muito carinho e dedicação por todos nós envolvidxs”.

Sobre o “POC”, quantas faixas têm, quem compôs as letras, quais parcerias e por que o nome “POC”?
Seketh: “’POC’ é de fato uma farofa! São dez faixas: Produção musical, mixagem e masterização: Satan, DJ Fabregas e Mario Rios. Composições: Whallassy Oliveira, Rogério Benício, M4RV!N, Enme e Satan. Participações especiais: MC Xuxú, Enme, M4RV!N e Bethy Maranhão. Fotos: Rodrigo Júnior e Antônio Rodrigo. Direção de Arte: Iderlando Rodrigues. Direção Geral: Whallassy Oliveira e Rogério Benício. São Gravações independentes e o nome ‘POC’ é justamente pra, de vez, acabar com aquele negócio de que o termo ‘poc’ ofende. Ser poc é incrível, libertador, maravilhoso! Aiiiinnn vamos ser POCs!”.
M4RV!N: “No álbum ‘POC’, eu fiz a revisão de algumas composições e compus algumas músicas inéditas especialmente pra esse projeto. No álbum entraram ‘Aparelhagem’, que é um feat. da Seketh comigo e eu sou o compositor (também) da ‘Bumbum de Beat’, que é a faixa funk, feat com a Mc Xuxú. É o primeiro trabalho que participo como compositor e to muito feliz com o resultado, espero que a galera goste muito”.

Você pode nos contar um pouco sobre seu processo de criação? Quanto tempo demorou?
Seketh: “Foi um ano e meio de luta. A gente vê situações e quer reproduzir isso na música, aos poucos foi surgindo as temáticas e com a ajuda de toda a equipe eu fui afunilando o que era legal ou não, acaba que tem muita coisa ainda a ser lançada que não coube em ‘POC’, afinal, como eu trabalho na linha da comédia, não falta pauta né?”.

O que podemos esperar da musicalidade do seu álbum? Quais sonoridades vamos descobrir ao ouvir “POC”?
Seketh: “Como já disse, ‘POC’ é uma farofa grande (risos)! Tem de tudo, todos os ritmos misturados em uma só vibe, o funk tem pegada brega, o brega tem pegada pop. O brega tem uma coisa da nostalgia dos antigos bregas, é claro. O tecnobrega da Seketh foi pra um nível mais profissional, ou seja, é daquelas misturas divertidas que todo mundo vai querer comer, quer dizer, ouvir (risos)!”.

Sinto um tom de comédia e sarcasmo na capa do álbum. Esse bom humor estará presente nas letras também?
Seketh: “Simmmmm! Foi minha maior preocupação, porque a Seketh das paródias (versões) canta o inusitado, ‘Mona Ostentação’ é autoral e (a Seketh) canta o divertido também, as letras tratam de coisas diferentes, sempre de forma engraçada. Sempre!

O que te motivou a ser uma drag cantora e lançar um álbum independente, nas plataformas digitais, num cenário que está sofrendo um inchaço dessa temática, no caso, drags cantoras? Qual seu diferencial? O que destaca Seketh e “POC” no cenário musical brasileiro atual?
Seketh: “Bom, minha drag vem do teatro, da comédia, do humor. Ao transferir ela pra web eu comecei a cantar, mesmo não sendo uma voz potente ou estável, fazia pra zoar mesmo, tirar sarro. O trabalho foi sendo aceito e eu comecei a explorar outras vertentes, foi dando certo, então eu pensei, porque não sair na contramão do que as drags fazem e cantar o que ninguém canta? Cantar o que as pessoas não expressam? Foi respondendo isso que criei o ‘POC’”.

Sobre o processo de produção musical em si, era o que você imaginava, foi fácil pra você entrar num estúdio e dar voz às suas novas faixas?
Seketh: “Tenho alguns trabalhos lançados: cinco paródias (‘Bicha Pague meu Dinheiro’, ’ Mexeu com Meu Homem’, ‘Toda Tua’, ‘Perigo’ e ‘Me Trocou’) e três faixas autorais (‘Mona Ostentação, tema de abertura da série ‘To de Graça do Multishow’, ‘Homão da Porra’ e Bubadá’). Então, pra mim, foi muito difícil sair pra um trabalho totalmente autoral, eu tive medo das pessoas não entenderem a minha proposta, até porque já tem drags demais cantando, isso é muito bom, mas ao mesmo tempo, meu receio era as pessoas falarem ‘tá… mais uma drag que fala de bunda mexendo’, então pra mim tudo foi novo, desafiador!”.

Quanto tempo, ao todo, POC levou pra ficar pronto, do momento em que você resolveu compor, correr atrás de produção, idas e vindas ao estúdio, até de dia do lançamento nas redes de streaming?
Seketh: “Exatamente 1 ano e 6 meses de planejamento, produção toda independente, mas que também pedia um investimento maior. Com orçamento suado, eu consegui produzir tudo com 18 mil reais. Foi a melhor coisa que já fiz em minha vida. To muito feliz!”.

Do primeiro dia que você colocou uma maquiagem no rosto, uma peruca na cabeça, até dia oficial do lançamento de “POC”, em algum momento você já se via nessa posição/ocasião, de estar lançando um álbum nas plataformas digitais?
Seketh: “Nuncaaaaa! Kkkkk! Jamais imaginei que algum dia eu estaria nessa loucura de lançar um trabalho todo com minha cara, até porque eu nunca menti pra ninguém com relação à voz, por exemplo, a Seketh é meu hobby, minha diversão, foi ela que me salvou de uma depressão profunda e é com ela que quero levar sempre essa mensagem de alegria!”.

Qual o próximo passo de Seketh Bárbara? Podemos esperar algum clipe chegando? Quando?
Seketh: “Simmmmm! Todos os clipes do álbum ‘POC’ serão feitos. Todos! Até porque, não tenho apenas o lance de retorno (financeiro), eu faço porque amo mesmo. Então fazer cada clipe pra mim vai ser uma diversão só!”.

Onde Seketh quer e pretende chegar ainda?
Seketh: “Pronto! Você fez a pergunta que nunca sei responder (risos). Porque eu não tenho um ponto a ser alcançado, eu só quero levar minha mensagem de amor, de alegria, de tolerância, de respeito. Quero que a Seketh divirta as pessoas, que eu também me divirta fazendo ela, e que tudo tenha sempre sentido”.

Você já se considera uma drag famosa?
Seketh: “O lance de fama, eu acho muito subjetivo: eu sou famosa na minha Rua, por exemplo, (risos). No meu trabalho, entre meus amigos, entre os meus fãs. Eu tenho conexão forte com eles, escuto eles, direciono tudo através deles. Pra mim a fama é o que eu já vivo, só que em proporções maiores, claro, ou não”.

Qual voo mais alto a fama já proporcionou à Seketh Bárbara?
Seketh: “Ain! Pra mim tudo é muito valioso, mas conhecer a Xuxa foi o maior presente que a Seketh me deu, pra mim foi auge. E lógico, poder viajar todas as capitais enquanto fazia minha música e minhas palhaçadas”.

Pra finalizar: Seketh Bárbara por Seketh Bárbara?
Seketh: “Eu sou muito polêmica, não gosto que pisem em meus calos, não sou de levar desaforo pra casa, a vida me fez exatamente assim, forte! Não tento forçar as coisas, acredito que tudo tem seu tempo, tudo tem um propósito. Um dia as pessoas vão me ver como sou de fato: divertida, alto astral é verdadeira!”.

Para quem ficou curioso em conhecer mais o trabalho da Seketh, basta segui-la nas suas redes sociais, lembrando que o álbum “POC” já está disponível em todas as plataformas digitais e nesse sábado, dia 27/07, tem um show especial de lançamento do disco na Arena Barão, localizado na cidade de Imperatriz, no Maranhão, com ingressos a partir de R$30,00.

Serviço

Show de lançamento “POC” | Ser POC é ser fabulosx
Sábado 27/07, na Arena Barão.
Entrada a partir de R$30,00
Rua Monte Castelo, 1524, Jardim Sao Luis, Imperatriz, MA. A partir das 20h30.

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e o mais novo colaborador para conteúdos sobre diversidade LGBTQIA+ para o portal Pheeno.com.br