Traficante confessa que matou Matheusa Passarelli e conta detalhes do crime

Num depoimento gravado em vídeo, obtido com exclusividade pelo Jornal Extra, Manuel Avelino de Sousa Junior, conhecido como Peida Voa, confessou o crime cometido contra a estudante Matheusa Passarelli, de 21 anos, na madrugada de 29 de abril de 2018. Em depoimento, o suspeito ainda relatou detalhes do crime.

Manuel confessou ter atirado duas vezes contra Matheusa. Após o homicídio, o corpo da estudante foi esquartejado e queimado em um tonel no alto da favela. “Ele tava andando na rua pelado. Fui lá interrogar ele. Não conseguia falar o nome, endereço, lugar onde morava nem nada. Eu falei que ia arrumar ajuda”, conta Manuel. “Só que ele não aguardou e reagiu tentando tirar o fuzil de mim, botando a mão no meu pescoço e me empurrando. Peguei a pistola e dei tiro nele. Um tiro de pistola e um tiro de fuzil“.

Manuel disse ainda que Matheusa “ficou agonizando por meia hora” após os disparos. Aos investigadores, afirmou que queria tentar socorrer a estudante e levá-la para fora da favela, mas que recebeu a ordem de um “gerente” do tráfico para queimar o corpo. “Tive que amarrar com um fio e saí puxando até chegar ao galão, cortar e queimar”, disse o traficante, que contou com a ajuda de mais dois homens para esquartejar o cadáver com um facão.

O relato foi gravado na manhã do dia 28 de maio dentro da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA), para onde Manuel foi levado após ser preso. O homem foi capturado num prédio em Piedade, onde passou a trabalhar como porteiro após deixar o tráfico.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!