Político filipino pune pessoas LGBTs de forma bizarra por quebrarem o bloqueio na pandemia

Conduta inaceitável vinda de quem deveria zelar pela segurança!

Político filipino forçou pessoas LGBTs a se beijarem e fazerem ‘dança sexy’, como forma de punição por violarem o toque de recolher na pandemia.

Christopher Bombing Punzalan, capitão parlamentar responsável pela unidade militar ‘barangay’ do distrito de Pandacaquim, postou em seu perfil pessoal do Facebook uma série de vídeos no quais ele confrontava um grupo de pessoas LGBTs por estarem fora de casa após as 20h, desobedecendo ao toque de recolher. Este episódio grotesco aconteceu no último domingo, dia 05/04.

Nos vídeos, era possível ver Christopher, pessoalmente, abordando o grupo de jovens e os questionando se eles estavam na rua procurando por prostitutas. Em seguida, retirou três pessoas LGBTs do grupo e as forçou a fazer uma ‘dança sexy’ na frente de um garoto de 15 anos que também violou as restrições. As punições ficaram ainda mais bizarras e humilhantes, quando o capitão chamou um instrutor de zumba ensinar as pessoas a dançarem.

Jesssica Mallari, 22 anos, uma das pessoas LGBTs abordadas pelo parlamentar, contou que foi forçada a imitar danças engraçadas em frente às pessoas, além de ter sido forçada a beijar outra menina detida do grupo, Shanel Salazar, 20 anos.

Segundo Jesssica “ele no fez imitar danças engraçadas do TikTok, mas não conseguimos fazer porque todos estavam rindo de nós e estávamos com muita vergonha. Ele disse que se quiséssemos ir para casa, teríamos que nos beijar. Quando não fizemos, ele nos disse que precisávamos fazer 20 flexões.” Ela relatou que o grupo só foi conseguiu ser liberado das humilhações por volta de meia-noite, ou seja, quase quatro horas após do horário limite do toque de recolher.

“Gostaríamos de pedir desculpas pela desobediência. Não há problema em ser punido, mas não podemos aceitar que ele tenha que ser documentado ao vivo. Se tivéssemos que fazer serviços comunitários, isso teria sido bom para nós. Desde que fomos detidos e punidos, não saímos de casa”, comentou Mallari.

Após a polêmica causada pelos vídeos, que até então estavam disponíveis no perfil pessoal do capitão, Punzalan pediu desculpas pelos castigos, mas tentou se defender dizendo que seu comportamento foi causado por “exaustão”.

“Gostaria de me desculpar pelo que aconteceu ontem à noite, pelos que punimos por violar o toque de recolher. Para aqueles que se ofenderam com o que fizemos aos membros da comunidade LGBT+, perdoe-me. Nós respeitamos a comunidade LGBT+. Talvez isso tenha acontecido por causa do cansaço de pegar violadores todas as noites”, declarou Christopher.

A Anistia Internacional das Filipinas disse em um comunicado: “Existe um padrão elevado de má conduta perpetuada por funcionários de ‘barangay’ ao aplicar os protocolos da quarentena. Incidentes de humilhação e abuso foram relatados desde o início da quarentena pela comunidade, como colocar pessoas dentro de gaiolas para cães; espancar pessoas com paus; e, mais recentemente, humilhação sexual a membros comunid

Arquiteto, DJ, VJ, Produtor de Eventos e redator colaborador de conteúdos sobre diversidade LGBTI+ do portal Pheeno.com.br! #MandaAssunto