Vigilante é morto após conhecer homem casado em aplicativo

Um vigilante de 50 anos foi encontrado morto em Guarujá, no litoral de São Paulo, após ser dado como desaparecido pela família. As informações foram confirmadas ao G1 nesta quinta-feira (16/04).

Segundo informado por um amigo da vítima, após o crime, o suspeito, ainda não identificado, se passou por Josenildo da Silva e pediu foto do cartão de crédito dele pelo WhatsApp. O vigilante teria conhecido um rapaz recentemente por um aplicativo de relacionamentos. O amigo, que morava com Josenildo, contou o vigilante teria chegado do trabalho na segunda-feira 13, e avisado que iria de moto até casa do irmão. Desde então, não foi mais visto.

A família e o amigo fizeram postagens nas redes sociais pedindo ajuda para encontrá-lo. Nesta quarta-feira (15/04), ligaram para sobrinha de Josenildo. “Alguém ligou perguntando se encontraram o Nil [como era conhecido], pois viu a publicação no Facebook. Foi aí que informaram que encontraram um corpo na Praia do Guaiúba, de um homem que tinha tatuagem”, conta o amigo.

O irmão e sobrinha da vítima foram até o local e identificaram o corpo, por volta das 14h. “Alguém estava usando o WhatsApp dele, fingindo ser ele, dizendo que estava bem, em São Paulo, mas precisava que eu mandasse uma foto do cartão de crédito para resolver um problema em Guarujá. Notei que não era ele e disse que só enviaria se mandasse um áudio. O suspeito não quis mandar e continuou insistindo”, diz.

Segundo o amigo da vítima, Josenildo era homossexual e tinha histórico de encontros casuais frequentes, com pessoas que ele conhecia por aplicativo de relacionamentos. “Por enquanto, a única coisa que sabemos é de um contato que ele estava tendo com um cara casado, daqui da cidade. Já temos os dados dessa pessoa e a polícia está investigando”, relata.

A Polícia Militar foi acionada ao local do crime. A moto da vítima foi localizada próximo ao local onde o corpo foi achado. O caso foi encaminhado para Delegacia Sede de Guarujá, onde foi registrado e segue sob a investigação da Polícia Civil.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!