Ratinho é condenado a pagar R$ 150 mil por conta de piadas feitas com igreja voltada ao público gay

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a condenação ao apresentador Carlos Massa, o Ratinho, por ofensas proferidas pelo próprio a uma igreja evangélica inclusiva LGBT. Segundo o colunista Daniel Casto, do site “UOL”, a decisão judicial determinou que a emissora terá que pagar indenização de R$ 150 mil ao pastor Victor Orellana, fundador da Igreja Acalanto – Ministério Outras Ovelhas, localizada em em São Paulo.

O TJ-SP entendeu que os comentários “jocosos” do apresentador eram excessivos. Para o desembargador Fábio Quadros, a ofensa não estava no uso da palavra “gay”, e sim no “escárnio”, “chacota” e “tratamento chulo e depreciativo sobre a fé professada pelo autor” extrapolando o direito à liberdade de expressão. O SBT recorreu da sentença ao STJ pedindo a redução do valor da indenização, porém o ministro Luís Felipe Salomão negou o recurso, já que a ofensa foi proferida por um “famoso apresentador” em rede nacional de televisão.

As declarações de Ratinho foram feitas em 2003. O apresentador mostrou imagens de câmera escondida de um culto da Igreja Acalanto – Ministério Outras Velhas e, logo depois, disse que a igreja era frequentada por “viadinhos” e “viados” e que não tinha filial, mas “viadal”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!