Hospital é condenado por demitir médico gay que teve filho por meio de barriga de aluguel

A coluna de Mônica Bergamo informa que a Justiça do Trabalho condenou a Associação Congregação de Santa Catarina, entidade que gere hospitais e escolas, por demitir o médico Wagner Alexandre Scudeler, de 41 anos. A entidade foi condenada a pagar R$ 120 mil ao funcionário.

Solteiro e homossexual, ele obteve o direito à licença-maternidade e estabilidade depois de ter um filho por meio de barriga de aluguel. Wagner contratou uma barriga de aluguel nos EUA, onde o serviço é regulamentado, e foi reconhecido legalmente como o único guardião da criança. Ele afirma que foi demitido minutos depois de informar à instituição que tiraria a licença para acompanhar o nascimento do filho.

“Eu, por quatro meses de afastamento, em uma situação análoga à de uma gravidez, estou condenado ao desemprego. Uma mulher grávida poderia ter a entrevista cancelada também. Posso dizer que senti na pele o que uma mulher passa no Brasil”, disse ele ao site Uol.

A juíza Larissa Rabello Costa condenou a instituição a pagar R$ 120 mil por demitir um funcionário. Ao proferir a pena, a juíza afirmou que “é inegável que o reclamante e o seu filho formam entidade familiar que merece a proteção especial do Estado e da sociedade”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!