Bispo da Igreja Metodista defende exclusão de LGBTs e igreja responde: “Não representa nossa opinião”

Foto: Januária Vargas

Presidente da 4ª Região Eclesiástica da Igreja Metodista (Minas Gerais e Espírito Santo), o bispo Roberto Alves de Souza defendeu durante videoconferência com pastores que pessoas LGBTs devem ser excluídos da denominação.

“Tem que excluir eles da igreja, isso sim”, falou Roberto. Um pastou que participa da conversa completa: “Tem que fazer isso enquanto é tempo, né, porque senão depois [inaudível] cresce na briga e só Jesus”, afirmou. O vídeo viralizou entre membros da própria Igreja Metodista, que mostraram indignação com o posicionamento dos religiosos.

“Pensavam que éramos poucos, que seria só ‘excluir eles logo’. Mas não. Somos muitos, somos fieis e nos comprometemos a dar esses passos juntas e juntos. Somos levedura, queremos uma Igreja que cresce porque acolhe todas as pessoas!”, diz trecho de uma publicação dos Metodistas LGBTs. Segundo a mensagem, 115 metodistas de mais de 25 igrejas e congregações de todos os distritos da 3ª Região Eclesiástica apoiam a proposta de acolhimento de fiéis LGBTs.

Em nota, a Igreja Metodista disse que a declaração Roberto é uma opinião pessoal do bispo e não condiz com os dogmas da instituição: “As opiniões expressas não representam a opinião da Igreja Metodista, mas um posicionamento pessoal feito de forma informal”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!