Para fugir de homofobia, homem vive em carro velho dentro de cemitério: “Me isolei para viver a minha história”

Há 10 anos atrás, Lorival Francisco, de 49 anos, precisou deixar tudo para trás e fugir de sua casa em Joinville (SC), após sofrer ataques homofóbicos da vizinhança. Hoje, ele vive em um carro abandonado dentro de um cemitério, na cidade de Garuva, interior de Santa Catarina.

“Eu me isolei do mundo para viver o meu mundo, a minha história”, disse Lorival em conversa com o jornalista Herison Schorr, do Folha Norte SC, na última terça-feira (02/03). “Eu sou homossexual, sabe, ‘viado’… gay”, completa “Lori”, que dorme em um pálio estragado estacionado num rancho de canoas. “Eu queria viver aqui sozinho por causa da homofobia”, explica ele. Hoje no mato, Lori diz que sobrevive graças a ajuda de moradores da região. “Ele é uma pessoa muito legal, assim, ele vem aqui, me ajuda, ele faz as coisas pra mim, e aí eu dou um dinheirinho pra ele que é uma pessoa muito de confiança”, afirma Dona Maria de Fátima da Silva França, uma senhora de 60 anos que, por ter uma das pernas amputadas, agradece os serviços de Lorival.

Ainda durante a conversa, Lori conta que sua mãe e cinco irmãos ainda moram em Joinville. Todos o apoiaram desde cedo sobre sua sexualidade, o problema eram “as pessoas que estavam em volta, desde o colégio. Essa parte foi horrível”, desabafa. Ele afirma que sente falta dos parentes, mas justifica que não tem dinheiro para visitá-los; nem ônibus por causa da pandemia tem, “mas minha família tem carro, sabe onde eu tô”, complementou após ser questionado sobre se sentir abandonado por eles.

Graças a reportagem, uma vaquinha criada pelo site Razões para Acreditar. A arrecadação, que visa construir uma casa para Lorival, vem movimentando internautas e já ultrapassou a marca de R$ 41 mil. Para ajudar com doações, clique aqui.

 Confira

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!