Divina Aloma diz que Rogéria sabotou sua vitória como Miss: “Por que dar o título para uma negra?!”

Conversamos com a maravilhosa Divina Aloma para o quadro Ícones LGBTQ+! A travesti de 72 anos é natural da Bahia e se mudou para o Rio de Janeiro para poder viver sua vida livremente, mas para isso teve que enfrentar a fome e precisou morar nas ruas. Após conseguir um abrigo, ela começou a trabalhar no teatro, ainda nos bastidores, mas já sonhando com os palcos. Esse momento chegou quando foi descoberta por Rogéria enquanto cuidava do figurino de um espetáculo no Teatro Rival.

Mas o racismo imperava nas produções da época. Tanto que ela revela que tinha o camarim das brancas e o camarim das pretas, chamado de Navio Negreiro. A mesma Rogéria que lhe deu a primeira oportunidade, anos depois foi quem a tirou o título em um concurso de Miss. Aloma afirma que foi por conta da cor de sua pele. “Porque dar esse título para uma negra e não uma branca?“, indagou Rogéria.

A vida de Aloma tem sido, de fato, um turbilhão de emoções. Ela foi uma das celebres mulatas de Osvaldo Sargentelli, de quem escondeu ser travesti por oito meses. No entanto, após revelar sua identidade de gênero, acabou virando amante do famoso produtor de shows de samba.

Confira

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!