Um mês após sofrer ataque transfóbico, cabeleireira trans é assassinada com tiro em Recife

Uma mulher trans foi assassinada com um tiro, nesta segunda (05/07), na comunidade Beira Rio, na Várzea, Zona Oeste do Recife. Crismilly Pérola, de 37 anos, também conhecida como Bombom ou Piu-piu, estava desaparecida desde domingo após ir até uma festa. A morte da cabeleireira é o terceiro registro de violência contra mulheres trans em menos de um mês na capital pernambucana.

De acordo com o perito criminal Diego Nunes, do Grupo Especializado de Perícias em Homicídios (GEPH), do DHPP, o corpo foi encontrado às margens do Rio Capibaribe, perto do local onde ocorreu a festa, no bairro da Várzea. A Polícia Civil informou que instaurou inquérito policial para apurar a morte de Crismilly e que ainda desconhece a autoria e motivação do crime. A investigação está sob o comando do DHPP (Departamento de Homicídio e de Proteção à Pessoa). “A vítima tinha um disparo provocado por arma de fogo na mão que trasfixou e atingiu o pescoço. Ela estava usando um short jeans e um short, não tinha nenhum sinal de violência sexual”, destacou o perito criminal.

Prima da cabeleireira, Jennnifer Matos, contou que Crismilly tinha sido vítima de transfobia recentemente e chegou a ser hospitalizada porque fraturou um dos braços. A família acredita que a motivação foi a mesma. “Foi há um mês, em uma briga na Várzea também. Atentaram contra a vida dela. E o motivo pelo que a gente sabe foi transfobia. Ela contava a mãe que sempre sofria xingamentos no meio da rua, sempre tinha isso. A gente espera que a polícia investigue e identifique os culpados. Ela era uma pessoa muito querida”, disse ao G1.

Esse é o terceiro caso grave de violência contra mulheres trans, em menos de um mês. Em 18 de junho, o corpo de Kalyndra Selva foi encontrado dentro de casa, no Ipsep, na Zona Sul do Recife. Em 24 do mesmo mês, Roberta da Silva teve 40% dos corpo queimado por um adolescente, no Centro. Por conta da gravidade das queimaduras, Roberta precisou ter os dois braços amputados.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!