Eduardo Leite nega que não teria “agenda LGBTQ+” em campanha: “É uma agenda da igualdade”

Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), revelou detalhes de sua via pessoal e política. Leite negou que ele não teria agenda LGBTQIA+ em sua campanha à Presidência da República, falou sobre os ataques ao namorado, Thalis Bolzan, e desabafou sobre as críticas que tem recebido após falar abertamente sobre a sexualidade com Pedro Bial, em julho deste ano.

Recebi mensagens de gente que ficou mais à vontade para falar sobre o assunto com sua própria família. Mas recebi críticas de gente me cobrando erguer uma bandeira. Mandaram também mensagens para o meu namorado. ‘Estão te pagando quanto para você inventar que é namorado dele’, foi uma delas. Acredito que nem todo gay precisa ser ativista. Não devo ignorar os temas, claro. Evidente que devem combater o preconceito, evidente que devem fazer enfrentamento desses temas. Mas não necessariamente será a causa da vida da pessoa“, disse o governador em entrevista ao podcast No Flow. “É bom e importante que existam os ativistas. Disseram que eu não teria agenda LGBT no governo. Não é absolutamente verdade. A agenda está e estará presente, mas não é uma agenda do LGBT, é uma agenda da igualdade“, continuou.

Antes de ter relações com um homem, pela primeira vez, aos 25 anos, Leite relatou ter tido envolvimento hétero por quatro anos. “Na minha adolescência e juventude, imaginei que pudesse ser gay, mas me recriminei por pensar nisso. Tive então uma namorada por quatro anos. Estava apaixonado, tinha prazer com ela, foi uma grande paixão. Aquele sentimento que tive me pareceu ter sido uma fase. Mas fiquei com um cara quando eu tinha 25 anos. Eu já era vereador quando aceitei isso na minha cabeça, de que era gay“, explicou o gaúcho. Questionado se era bissexual ou se namoraria hoje uma mulher, ele afirmou: “Não sou bi, sou gay. Não ficaria com uma mulher porque estou comprometido e apaixonado. Aliás, estamos comemorando um ano de namoro“.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!