Ativista trans rejeita ser ‘influencer’: “Nem toda influência é boa, sou conscientizadora digital”

Conversamos com Lis Lemes no estúdio do Pheeno! Mulher trans, Lis não quer ser influencer: ela se deu o título de conscientizadora digital!

A carioca de Realengo começou a aflorar sua questão de identidade de gênero na época do ensino médio e, por conta das opressões da sociedade por isso e pela cor de sua pele, Lis desenvolveu princípio de depressão e tentou até suicídio. Ela também perdeu a mãe aos 15 anos e revela que “ressurgiu” como pessoa graças ao Projeto CapaciTrans. Hoje, ela cursa Graduação e quer conscientizar pessoas através da sua vivência.

Confira

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!