Gab Van: “Antes, como mulher, meu corpo era objetificado; hoje, como homem preto, virou uma ameaça”

Nesta semana da #VisibilidadeTrans, conversamos com Gabriel Van no estúdio do Pheeno! O morador de Niterói de 33 anos é homem trans e conta que sua transição não veio da vontade de fazer ‘coisas de homem’: “Tive que entender que a minha masculinidade também era diferente do que o mundo prega”.

Gab revela que cresceu sem conversas sobre questões raciais e foi só durante sua transição que se enxergou enquanto homem negro: “Já fui acusado de roubo, quase fui linchado”. O ativista não fala com sua família há anos, mas encontrou uma família na militância, e hoje participa de coletivos de homens trans, focados em saúde mental e afeto: “Muito de nós nos matamos por não ter acesso ao amor familiar”. Gab se entende como homem trans bissexual afeminado e já sofreu preconceito por isso.

Confira

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!