“Pornografia é performance, poesia erótica tem uma sensibilidade por trás”, afirma poeta queer

Conversamos com Bento Verboto no estúdio do Pheeno! O poeta e ilustrador de 23 anos se declara uma pessoa não-binárie masculino e gay, que flui entre os gêneros e não necessariamente se encaixa. Ele revela que a poesia entrou na sua vida desde que descobriu o que era escrever e publicou recentemente o livro “Odisseia Erótica”, projeto que começou na pandemia: “Consegui usar muito da arte pra me salvar”. Bento discute a diferença entre pornografia e erotismo e confessa: “O mais importante pra mim quando eu escrevo é que você sinta alguma verdade sobre o que você sente mas não consegue dizer”.

Confira

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!