Estrela trans iraquiana do TikTok é morta a tiros enquanto país endurece leis anti-LGBTQ+

Uma popular estrela iraquiana do TikTok que enfrentou repetidas questões sobre seu gênero e sexualidade foi morta a tiros na capital Bagdá. O incidente devastador ocorre num momento em que o Iraque reprime a conduta LGBTQIA+ e a violência contra a comunidade aumenta em todo o país.

A morte de Noor Alsaffar, conhecida como Noor Bm no TikTok, está sendo tratada como um “incidente criminal”, disse o porta-voz da polícia iraquiana, Khaled Almehna, à CNN, observando que “atualizações importantes” seriam fornecidas posteriormente. Outra fonte de segurança iraquiana, que falou sob condição de anonimato por não ter sido autorizada a falar com a imprensa, disse à publicação que “o falecido foi levado ao departamento forense” e que uma “investigação foi aberta”.

Alsaffar, de 23 anos, foi repetidamente alvo de críticas anti-LGBTQ+ e de assédio online como resultado do estilo de conteúdo postado em suas redes sociais, onde aparecia sempre maquiada e usando roupas tidas como femininas. Em entrevista ao canal Al Walaa do Iraque em 2020, Alsaffar, que trabalhava como maquiadora, falou abertamente sobre as ameaças constantes devido à sua aparência. Ela esclareceu: “Não sou transgênero e não sou gay. Não tenho outras tendências, sou apenas travesti e modelo.

Quando o IraQueer, um grupo de direitos LGBTQIA+ com sede no Iraque, postou sobre a morte de Alsaffar no X (antigo Twitter), eles descreveram a estrela do TikTok como um “vlogger queer iraquiano” e usando as hashtags “#Transphobia” e “#MurderOfTransPeople”. A morte de Alsaffar surge na sequência da tentativa do Iraque de proibir a homossexualidade .

Se aprovadas, as alterações propostas à Lei de Combate à Prostituição do Iraque poderão levar à execução de pessoas culpadas de “conduta sexual entre pessoas do mesmo sexo” ou à pena de prisão perpétua. Além disso, qualquer pessoa encontrada “promovendo a homossexualidade” seria condenada a um mínimo de sete anos de prisão, bem como a uma multa substancial.

Os cuidados de afirmação de gênero também seriam proibidos, sendo as tentativas de mudança de identidade de gênero puníveis com um mínimo de um ano de prisão. Isto também se aplicaria aos médicos que administram cuidados aos pacientes transexuais.

VEJA + NO PHEENO TV

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!

Felipe Sousa

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!

Você vai curtir!