“Não pode fazer o gay virar chacota por ele ser gay”, diz Fábio Porchat sobre os limites do humor

Diferente de outros colegas de profissão, Fábio Porchat acredita que deva haver limite para o humor. Em recente entrevista à revista Quem, o humorista afirmou que não é possível censurar o humor, mas existem ressalvas e limites.

“Vai do bom senso. Você não pode incitar ódio, violência, inventar coisas sobre uma pessoa… Estes são os limites e estamos aprendendo a lidar com eles”, disse o humorista. “Se você assiste um negócio de dez anos atrás, é mais difícil dar risada. Temos que ver como o mundo está caminhando e como poder brincar com isso, sem ofender ninguém. As pessoas falam: ‘Ah, mas eu não posso mais contar piada de gordo?’. Claro que pode, mas não do jeito que se fazia há 20 anos. Você não pode mais diminuir e humilhar as pessoas. Não pode fazer o gay virar chacota por ele ser gay”.

Ainda na entrevista, Porchat também comentou sobre o uso de palavrões em piadas. “É óbvio que quando você faz uma coisa bem feita e dá muita audiência é gostoso também. Mas sem apelação. Palavrão pode ser uma apelação. Quando o palavrão é piada, é apelativo. Quando o palavrão está inserido em uma piada, eu não acho que é. Se estou contando uma piada e ninguém ri, aí eu falo (o palavrão) e todo mundo cai na risada, isso não é inteligente”, diz.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!