Governo Trump tenta remover faixa de pedestre LGBT, mas cidade se recusa

Acredite se quiser, mas o governo Trump tentou fazer a cidade de Iowa, nos Estados Unidos, remover suas faixas de pedestres nas cores do Orgulho LGBTQ+. A cidade, no entanto, não atendeu o pedido de Trump e se recusou a remove-las.

A Administração Federal de Rodovias do Departamento de Transportes dos EUA enviou uma carta a funcionários em Ames, Iowa, solicitando que removessem as faixas de pedestres do Pride porque alegavam ser um risco à segurança. Uma faixa tem as cores do arco-íris, outra tem as cores rosa, branca e azul do movimento trans, outra tem as cores marrom e negro simbolizando a intersecção com a luta de negros LGBTI+ e a última faixa tem as cores rosa, preta, amarela e branca do movimento não-binário.

“A arte da faixa de pedestres tem o potencial de comprometer a segurança de pedestres e motoristas, interferindo, prejudicando ou obscurecendo os dispositivos oficiais de controle de tráfego. A arte também pode incentivar os usuários da estrada, especialmente bicicletas e pedestres, a participar diretamente do projeto, passear na rua ou dar motivos para não desocupar a rua de maneira conveniente ou previsível ”, escreveu o FHWA em uma carta à cidade de Ames.

“Isso também cria confusão para motoristas, pedestres e outras jurisdições que podem ver essas marcações e instalar tratamentos de pedestres semelhantes em suas cidades”, continuou a carta. “Permitir que uma marcação de pavimento não conforme permaneça no local representa uma preocupação de responsabilidade para a cidade de Ames em caso de colisão de pedestres / veículos ou veículo/veículo”, continuou.

Sensatos, o conselho da cidade decidiu ignorar a determinação do governo federal e manter as faixas coloridas. “Minha única pergunta é: precisamos fazer alguma coisa obrigatoriamente?”, questionou Chris Nelson, membro do conselho da cidade durante uma reunião recente, segundo informou o Ames Tribune. “Ou podemos simplesmente receber a carta e dizer ‘obrigado’?”

O advogado da cidade, Mark Lambert, garantiu aos membros do conselho que sim, até porque a solicitação não exigia um pedido de resposta. “Como eu disse em meu memorando, a FHWA não pôde me explicar como eles tinham jurisdição sobre as ruas da cidade, eles não tinham conhecimento de nenhuma penalidade e disseram que ainda estavam pesquisando isso”, disse Lambert. “Francamente, acho que, de acordo com o próprio manual, há um bom argumento de que não estamos violando o manual, já que não há proibição de cores”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!