Pesquisador da ONU defende proibição de “cura gay” em todo o mundo: “Prática degradante e discriminatória”

Foto: ACNUDH

Pesquisador independente do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, Victor Madrigal Borloz solicitou a proibição em todo o mundo da prática chamada “cura gay”. Para Borloz, a prática é “degradante e discriminatória”.

“Essas práticas constituem uma violação flagrante dos direitos a integridade física, saúde e livre expressão da orientação sexual e da identidade de gênero de uma pessoa. Quando feitas a força, elas representam uma violação da proibição da tortura e dos maus-tratos”, afirmou Borloz, nesta quarta-feira (08/07).

“Essas ‘terapias’ têm como alvo exclusivamente as pessoas LGBT e sua integridade pessoal e sua autonomia porque sua orientação sexual ou identidade de gênero não são parte do que é considerado uma norma desejável”, ressaltou o especialista que, segundo O Globo, recolheu testemunhos em uma centena de países nos últimos meses.

No Brasil, uma decisão do STF suspendeu a premissão para esse tipo de prática, que costuma ser aplicada contra a vontade de adolescentes homossexuais ou transgênero.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!