Dia Mundial de Luta Contra a Aids: confira 10 mitos e verdades sobre o vírus do HIV

O beijo transmite o vírus da imunodeficiência humana (HIV, na sigla em inglês)? Mulheres soropositivas podem engravidar? É possível contrair vírus no sexo oral? No Dia Mundial de Luta Contra a Aids, comemorado nesta sexta-feira (01/12) separamos 10 mitos e verdades sobre o vírus HIV.

1. Quem tem HIV tem sempre que usar camisinha?

VERDADE: Todas as pessoas que possuem o vírus HIV são aconselhadas a só ter relação sexual com camisinha para proteger seu parceiro. A camisinha é a melhor forma de proteção contra o vírus HIV e por isso ela deve ser usada em todo contato íntimo, devendo ser trocada após cada ejaculação.

2. O diagnóstico é feito apenas pelo exame de sangue?

VERDADE: Há dois métodos: o exame convencional e o teste rápido em uma gota de sangue. As duas metodologias permitem detectar a presença de anticorpos contra o vírus HIV. Se der positivo ou reagente, é feito outro teste para confirmar o resultado, o Western Blot, que procura fragmentos do HIV, ou o PCR, que localiza material genético do vírus. O exame é solicitado na gravidez e pode ser realizado nos postos de saúde por qualquer pessoa que desconfie de exposição ao vírus (não usou camisinha no sexo com alguém que use drogas, por exemplo).

3. Se der negativo, posso respirar aliviada?

MITO: Pode ser um falso negativo. Os testes aplicados dosam anticorpos contra o vírus. Se o contato for recente, você pode estar no que os especialistas chamam de janela imunológica, período em que a produção de anticorpos contra o HIV é insuficiente para ser detectada. Jean Gorinchteyn recomenda repetir o teste após quinze dias, três meses, seis meses e um ano

4. É preciso haver penetração para transmitir o vírus?

MITO: Atualmente a principal via de transmissão é sexual, portanto o maior cuidado é usar preservativo em todos os momentos da relação, seja ela homo ou heterossexual. “Não apenas para a penetração do pênis na vagina ou do pênis no ânus, mas antes de qualquer contato com mucosa, sêmen e secreção vaginal, inclusive no sexo oral”, recomenda Iracema Teixeira. Outros cuidados importantes: não compartilhar seringas, agulhas e objetos cortantes e escolher com o máximo de critério dentistas, manicures e locais para a realização de tatuagem.

5. Quem tem uma relação estável pode dispensar o preservativo?

MITO: Abrir mão da camisinha requer uma conversa muito clara e um alto grau de confiança entre o casal, além da certeza de que ambos não estão infectados. Traições acontecem. Daí a importância de assumir o compromisso de usar preservativo nas relações extraconjugais para preservar quem se ama.

6. Quem tem HIV tem AIDS?

MITO: HIV refere-se ao vírus da imuno deficiência humana e AIDS é a síndrome da imuno deficiência humana e por isso estes termos não podem ser usados como sinônimos. Ter o vírus não significa estar doente e por isso o termo AIDS só é indicado quando a pessoa adoce devido a fraqueza do seu sistema imune e isso pode demorar mais de 10 anos para acontecer.

7. É possível viver bem com HIV?

VERDADE: Com o avanço da ciência, os anti-retrovirais são mais eficientes e tem menos efeitos colaterais trazendo melhor qualidade de vida. Além disso, hoje em dia as pessoas estão mais informadas e há menos preconceito em relação ao vírus HIV e a AIDS, no entanto é imprescindível realizar o tratamento tomando os medicamentos indicados pelo infectologista, usar sempre camisinha e realizar os exames e as consultas médicas regularmente.

8. O grupo de risco não abrange adolescentes e homens com mais de 50 anos?

MITO: Qualquer pessoa pode ter a doença, desde que tenha comportamentos de risco, como relação sexual (homo ou heterossexual) com pessoa infectada e sem o uso de preservativos; compartilhamento de seringas e agulhas; transfusão de sangue contaminado pelo HIV; reutilização de objetos perfuro-cortantes com presença de sangue ou fluidos com o vírus.

9. Ninguém morre de Aids?

VERDADE: A doença pode deixar a pessoa muito debilitada, o que abre espaço para outras patologias. Estas sim têm a chance de levar o infectado à morte. Portanto, a pessoa não morre de Aids, mas em decorrência dela.

10. Toda camisinha é 100% confiável?

MITO: Antes de transar, veja se o produto está dentro do prazo de validade e se tem a certificação do Inmetro. As fluorescentes e com sabor devem ser usadas apenas como parte da brincadeira. Na hora H, prefira uma camisinha certificada. Preservativos não testados podem ter microperfurações, por onde o vírus passa. Não guarde em locais expostos ao sol, como porta-luvas. Não abra a embalagem com os dentes e desenrole com cuidado, segurando na ponta para deixar uma folga para o ar.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!