Homem tem perna quebrada após confrontar evangélicos que estavam na rua pregando contra LGBTs

Mais de 50 mil dólares foram arrecadados para o locutor de rádio Justin Morissette depois que ele teve uma de suas pernas quebradas por um casal de pregadores homofóbicos em Vancouver, no Canadá. Justin foi brutalmente atacado depois de confrontar os religiosos sobre sua homofobia.

“Eu enfrentei os valentões evangélicos anti-gays no West End esta noite, e eles quebraram minha perna propositalmente por conta disso. Não sei porque fiz isso.  Me parecia ser a coisa certa a fazer, já que ninguém ali fazia nada. Vou ter placas de metal na minha perna pelo resto da minha vida”, desabafou o locutor em seu Twitter. “Minha perna está super fodida e isso é uma merda. Mas o homem violento que fez isso comigo teria feito isso, ou possivelmente muito pior com outra pessoa, se ele não tivesse sido preso esta noite”, completou ele.

Segundo o site Gay Times, o ataque aconteceu em uma região de Vancouver que costuma ser super LGBT-friendly. De acordo com relatório da polícia, os pregadores usavam um megafone para gritar “pregações homofóbicas”. Indignado com o que estava vendo, Justin foi confrontá-los e tentou fazer com que parassem ou diminuíssem o volume dos megafones. Ignorado pelo casal, ele tentou desligar o som antes tomar um dos megafones dos religiosos. Foi neste momento que as agressões começaram.

“Ele colocou a perna direita atrás da minha perna esquerda, torceu meu corpo contra sua perna até minha perna quebrar. Ele quebrou minha perna de propósito, me jogou no chão e pegou seu megafone de volta”, explicou Justin. Os dois religiosos foram presos e a polícia está recomendando que eles sejam acusados ​​de agressão com agravantes em crime de ódio. A unidade de crimes de ódio da cidade também vem investigando o ataque. Após pagamento de fiança, ambos foram libertados e avisados para ficarem longe da área e não terem qualquer contato com Justin.

Dorre Love, um dos presos pelo ataque, mais tarde recorreu a suas próprias redes sociais para alegar que havia sido preso por “pregar o evangelho”, pedindo que suas próprias acusações de agressão contra Justin fossem arquivadas.

Uma página GoFundMe foi criada para cobrir seus custos médicos, bem como perda de renda, honorários advocatícios, aluguel e custo de vida. Graças ao poder da internet, mais de 50 mil dólares foram arrecadados. Justin disse que os fundos excedentes serão doados para Qmunity, uma organização sem fins lucrativos em Vancouver que “trabalha para ajudar pessoas LGBTQ+ em situação de vulnerabilidade”.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!