Kaletra, medicamento para crianças que vivem com o HIV, está completamente em falta no Ceará

Três medicamentos antirretrovirais para pacientes com HIV/AIDS estão com o estoque insuficiente no Ceará. Segundo o G1, os remédios Lamivudina, Raltegravir e Etravirina estão com o estoque em baixa. Já o Kaletra, direcionado a crianças com o vírus, está completamente em falta.

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) informou, em nota ao Sistema Verdes Mares, que a previsão de chegada do Lamivudina e do Raltegravir é dia 22 de dezembro, enquanto a o Etravirina deve chegar até a primeira quinzena de janeiro de 2021. Ainda de acordo com a Sesa, não há previsão para o recebimento do Kaletra e está no aguardo do repasse pelo Ministério da Saúde. Devido ao baixo estoque, os usuários que deveriam receber o necessário para 90 dias estão recebendo para apenas 30

Questionado sobre os atrasos e a falta no repasse dos medicamentos, o Ministério da Saúde não respondeu. A suspensão do uso no tratamento pode levar ao enfraquecimento do sistema imunológico do paciente. O baixo estoque ocorre em plena campanha do Dezembro Vermelho, mês de conscientização e combate à Aids. Segundo ofício da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/Aids (RNP+CE), o Governo Federal vai na contramão dos direitos das pessoas com HIV.

Vale lembrar que em fevereiro deste ano, Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que uma pessoa portadora de HIV representa “uma despesa para todos no Brasil”, além de “um problema sério para ela mesma”. Importante ressaltar também, que há uma semana, o Ministério da Saúde deixou vencer uma licitação de exames de genotipagem para pessoas que vivem com HIV, Aids e hepatites virais no Sistema Único de Saúde (SUS). 

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!