“Faria novamente”, diz Jean Wyllys sobre cuspida em Bolsonaro em 2016

Exilado fora do país desde 2019, o ativista e ex-deputado federal Jean Wyllys (PT), afirmou que paga um preço alto por ter cuspido em Jair Bolsonaro (sem partido), mas que não se arrepende. Na ocasião, a cena do cuspe aconteceu durante a votação pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016.

Quando fui votar em sequência [após Bolsonaro], fui votar em uma chuva de insultos. Como um país se prestava a essa vergonha? Que parlamento era aquele? Como eu tinha sido eleito e ia votar sob uma chuva de xingamentos homofóbicos? Quando voltei ao meu lugar, esse sujeito [Bolsonaro] fez um insulto homofóbico, que não vou reproduzir, e aí nessa hora entrei em um transe e cuspi na cara dele. Meu gesto foi o maior de dignidade da minha noite”, afirmou o ex-deputado. Na época do impeachment da presidente petista, Jean e Bolsonaro eram deputados federais pelo Rio de Janeiro, por conta disso votaram no mesmo bloco. “Claro que faria novamente naquelas circunstâncias. Esse gesto ganha significado maior e é mais compreendido hoje do que naquele momento. Só lembro que cometi esse ato porque tem imagens, entrei em um tipo de transe”, completou.

Exilado na Europa desde 2019 após ameaças contra a sua vida e de sua família, Jean afirma ainda que só volta ao Brasil quando Bolsonaro deixar o poder. “Embora esteja naufragando, o governo ainda tem uma base radicalizada, então é capaz de fazer muita coisa. Volto quando vencermos de vez essas forças políticas de destruição que emergiram com força em 2018″, disse o jornalista.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!