Vencedor do Prêmio Shell trata racismo com humor: “A gente se violenta falando do que nos faz mal”

Conversamos com Adalberto Neto no estúdio do Pheeno! O carioca de 41 anos é jornalista, dramaturgo e começou a se tornar influencer durante a pandemia, quando percebeu que na sua bolha tinha gente que ainda não entendia o que é o racismo estrutural: “A gente se violenta falando sobre o que faz mal pra gente, mas decidi fazer de forma leve, com humor”. Adalberto é roteirista e vencedor dos prêmios Shell, Ubuntu e Reconhecimento Popular pela peça “Oboró – Masculinidades Negras”: “Foi uma surpresa ganhar o maior prêmio de teatro do Brasil”.

Confira

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!