Parada LGBT reúne 3 milhões de pessoas em São Paulo, segundo organização

A 23ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, considerada a maior do mundo, reuniu 3 milhões de pessoas neste domingo (23/06) na Avenida Paulista, segundo os organizadores. Ao todo, 19 trios elétricos desfilaram por cerca de sete horas de apresentações.

A concentração ocorreu a partir das 10h, na frente do Museu de Arte de São Paulo (Masp), depois a passeata desceu a Rua da Consolação e foi até a Praça Roosevelt. O público se animou com a atração internacional Mel C, ex-integrante das Spice Girls. A “Sporty Spice” cantou músicas da carreira solo e também sucessos dos anos 90 do grupo como “Wannabe”, “Say you be there” e “Two become one”. O dia também foi de shows de Iza, Karol Conká, Gloria Groove, Aretuza Love, Luisa Sonza, Mateus Carrilho, Pepita e outros.

Durante a abertura, discursaram políticos como os deputados federais David Miranda (PSOL-RJ) e Sâmia Bonfim (PSOL-SP) e a ex-senadora Marta Suplicy (sem partido). Foram feitas críticas ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) e o público entoou coros contra o presidente. O público também levou cartazes de protesto contra a homofobia e mortes de LGBT. A criminalização da homofobia, recentemente aprovada pelo STF, também foi elogiada como um passo importante pela presidente da Associação da Parada LGBT, Claudia Regina.

Grávida, a apresentadora Fernanda Lima foi a madrinha da parada LGBT deste ano, que teve como tema os “50 anos de Stonewall”, um conflito que aconteceu em 1969 em um bar nos Estados Unidos e foi um marco para o ativismo da comunidade LGBT. “É uma luta que não tem fim, é uma luta por respeito e dignidade”, afirmou Fernanda, em entrevista à GloboNews. Já o ator Thammy Miranda destacou o tom político da manifestação.

O “esquenta” da Parada foi marcado por um casamento coletivo que aconteceu no início da manhã em um cartório itinerante na Avenida Paulista. Depois, os quatro casais participaram da abertura em cima de um trio elétrico, onde a a drag queen Tchaka exaltou a importância de respeitar os casais homoafetivos.

Segurança

No meio da multidão, houve relatos de furtos de celulares. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), 18 pessoas foram presas por roubo e 14 celulares foram apreendidos. Ainda segundo a SSP, mais de 800 PMs e policiais civis da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), dos 3º, 4º e 78º Distritos Policiais e da Equipe de Intervenção Estratégica, da 1ª Seccional, atuaram no evento.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!