David Miranda é acusado de “terrorismo” por deputado pró-Bolsonaro

Alguns incidentes entre os parlamentares marcaram a audiência do ministro da Justiça, Sérgio Moro, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (02/07). Um dos mais graves deles foi quando o deputado Waldir Soares (PSL-GO) acusou o colega David Miranda (PSOL-RJ) de “terrorista”.

Soares afirmou que David foi acusado de terrorismo na Inglaterra, quando ele foi detido para interrogatório no aeroporto de Londres, em 2013, enquanto trabalhava como jornalista investigativo. Após a acusação, o presidente da mesa, deputado Felipe Francischini (PSL-PR) deu um minuto de resposta a David Miranda, apesar dos protestos de parlamentares.

“Eu fui citado como terrorista quando eu fazia um trabalho para a nação brasileira, demonstrando jornalisticamente que a nossa Petrobras estava sendo espionada, que o ministro das Minas e Energia estava sendo espionado, que presidentes deste país estavam sendo espionados. Eu fui torturado pelo governo da Inglaterra durante 9 horas, por fazer um serviço pela minha pátria. Eu voltei pro Brasil, iniciei um processo contra aquele país e ganhei, em janeiro de 2016″, disse David, que há algumas semanas tem recebido ameaças de morte.

“Nunca o governo da Inglaterra me colocou no pedestal de terrorista. Esta Casa ter pares que peçam aqui para que eu seja deportado, junto com o meu marido, é uma falácia, é uma agressão à democracia. Principalmente porque eu sou eleito pelo Estado do Rio de Janeiro, e meu marido fez um trabalho jornalístico impecável antes, e continua fazendo agora. Espero que o ministro responda as minhas perguntas”, finalizou David.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!