Casal responsável por promover “cura gay” é indiciado por tráfico de pessoas e trabalho escravo

Responsável por um campo de “terapia de conversão sexual” nos Estados Unidos, o casal de americanos Gary Wiggins e sua esposa Meaghan Wiggins, foi preso preso indiciado por crimes como abuso, tráfico de pessoas e trabalho escravo.

Segundo as vítimas, oito garotos com idades entre 10 e 17 anos, o casal os obrigava a trabalhar nos negócios da família, sem receber qualquer pagamento. Além disso, eram forçados a realizar exercícios físicos e mentais, confinados em solitárias e deixados sem comida por dias. “Ele tirava o cinto e ameaçava nos bater”, disse Lucas Greenfield, uma das vítimas, que havia saído do armário para a mãe em 2017. “Vou tirar o demônio de você e torná-lo hétero”, dizia Gary aos garotos segundo o relato de Lucas à polícia.

As vítimas também afirmaram que o pastor utilizava termos como “viadinho” e “bichinha” para se referir aos garotos. Ambos agora estão indiciados e responderão na justiça por tráfico humano. Vale ressaltar que as terapias de conversão sexual são legalizadas em diversas partes dos Estados Unidos. Apenas 18 dos 50 estados possuem legislação que proíbe a prática.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!