Ex-padre que desviou milhões da igreja para sessões sadomasoquistas morre em circunstâncias misteriosas

Foto: Reprodução

O ex-padre Peter Miqueli, de 57 anos, acusado de desviar dinheiro de uma paróquia no Bronx, Nova York (EUA), para sexo sadomasoquista foi achado morto em casa na quinta-feira (09/07). Agora, rumores sobre o crime, ainda sem solução, passaram a circular nas redes depois que foi relatado que Miqueli planejava expor uma “rede homossexual clandestina” que opera dentro da igreja.

O ex-padre teria pago US$ 1 mil (cerca de R$ 5,3 mil) em várias sessões com o seu “mestre”, Keith Crist´, que faria o pároco de “escravo sexual”. Ao todo, mais de US$ 1 milhão (R$ 5,3 milhões) da igreja teria sido usado para essa finalidade, segundo a acusação. Além disso, Miqueli teria usado US$ 60 mil (R$ 320 mil) da paróquia em drogas ilícitas e mais R$ 264 mil (R$ 1,4 milhão) para comprar a sua casa na cidade. A Arquidiocese de Nova York disse não ter provas que confirmem o desvio de dinheiro.

O ex-padre teria pago US$ 1 mil (cerca de R$ 5,3 mil) em várias sessões com o seu “mestre”, Keith Crist´, que faria o pároco de “escravo sexual”.

Joseph, irmão do sacerdote, que já havia declarado sentir vergonha após as acusações contra o ex-padre surgiram, afirmou ao Daily Mail desconhecer a causa da morte de Miqueli: “Eu não sei o que aconteceu ao meu irmão. Eles nem me dizem onde o encontram, como o encontraram”, disse.

Desde então, segundo o site Queerty, começaram a circular rumores do crime, depois que foi relatado que o ex-padre estava se preparando para expor a arquidiocese de Nova York por corrupção e um plano de encobrimento relacionado a uma “rede homossexual secreta” que vem operando dentro da igreja por anos, possivelmente décadas.

Adicionando uma camada de mistério a tudo isso, o status do processo de 2015 contra Miqueli também está envolto em incertezas. Registros on-line mostram que uma queixa foi feita, mas nenhuma disposição foi tomada, e a Arquidiocese de Nova York nunca processou, apesar da enorme publicidade que o caso recebeu. “Eu amo meu irmão”, diz Joseph. “Ele é meu irmãozinho, não importa o que aconteça. Meu coração está partido e não há nada que eu possa fazer”, lamentou.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!