Caxias do Sul se prepara para inaugurar primeira casa de acolhimento para população LGBTQ+ em vulnerabilidade

O município de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, ganhará a sua primeira casa de acolhimento ao público LGBTQ+ em situação de vulnerabilidade. Oferecido pela ONG Construindo Igualdade, o serviço abrirá as portas com 20 vagas, sendo seis delas preenchidas por nomes que já estão na fila de espera.

Instalada em um espaço anexo à Casa de Acolhida Luiz Matias do Instituto Anglicano, no bairro Jardelino Ramos, oferecerá aos moradores atendimento gratuito em saúde mental, assistência social, e área jurídica, bem como o acesso a cursos profissionalizantes que também resultarão em produtos a serem comercializados, contribuindo para a sustentabilidade do projeto. As pessoas acolhidas permanecerão no espaço pelo período de um ano.

As pessoas sempre me procuraram para pedir ajuda, somente na pandemia foram mais de 20 meninos e meninas expulsos de suas casas por conta do preconceito familiar. Nestes casos que chegaram até mim, tentei intermediar o diálogo, prestar apoio a quem estava em vulnerabilidade, tomar as medidas cabíveis, mas é preciso um espaço adequado para isso, um serviço que não apenas acolha, mas que também dê perspectivas de retomada da vida, da dignidade; um lugar onde essas pessoas sejam respeitadas e também possam ter oportunidades”, conta Cleonice Araújo, mulher trans, que luta pela inclusão em Caxias do Sul há 17 anos, em conversa com o portal GHZ.

De acordo com o portal, pessoas com idades de 19 a 40 anos integram a lista que se forma para atendimento na nova casa de acolhimento da cidade. Terão acesso ao serviço pessoas LGBTQ+ em situação de vulnerabilidade acima dos 18 anos. Casos de pessoas mais jovens que eventualmente estiverem sendo vítimas de violência de gênero ou de outras situações relacionadas a isso serão recebidos, porém encaminhados a órgãos especializados da infância e adolescência, como o Conselho Tutelar.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!