Saiba quem foi Brenda Lee, a transexual brasileira homenageada pelo Google no Dia da Visibilidade Trans

Quem abrir o Google nesta terça (29/01) vai se deparar com um doodle especial, em homenagem ao 71º aniversário da militante transexual brasileira Brenda Lee. A data para essa ação acontecer não foi por acaso: hoje é comemorado o Dia da Visibilidade Trans.

Nascida Cicero Caetano Leonardo, em Bodocó (PE), no dia 10 de janeiro de 1948, Brenda foi alvo de muito preconceito e bullying desde muito pequena. O motivo?! Por ser mais afeminada que os demais garotos que convivia. Ainda na infância, adotou o nome social de Caetana. Aos 14 anos abandonou Pernambuco, foi morar em São Paulo e adotou o nome o qual é conhecida até hoje.

A mulher tornou-se uma figura conhecida no bairro do Bixiga, onde morou e, em 1984, começou a acolher pessoas rejeitadas, como integrantes da comunidade LGBT, pessoas carentes e portadores de AIDS. Em uma época onde a desinformação e o preconceito reinavam, Brenda passou a receber as pessoas que não tinham infraestrutura para tratar a doença sozinhas e eram abandonados por suas famílias. A ativista foi considerada o “anjo da guarda das travestis” e tinha como objetivo ajudar a todos, doentes ou não, que eram discriminados pela sociedade.

Em 28 de maio de 1996, Brenda, então com 48 anos, foi encontrada morta, assassinada com tiros na boca e no peito, no interior de uma Kombi, na capital paulista. A polícia prendeu os irmãos Gilmar Dantas Felismino, ex-funcionário de Brenda, e José Rogério de Araújo Felismino, na época policial militar, pelo crime. O motivo seria um golpe financeiro que funcionário tentou dar na ativista e que teria sido descoberto.

Seu trabalho se tornou referência e levou a criação do Prêmio Brenda Lee, em 21 de outubro de 2008. A premiação é realizada de cinco em cinco anos, com sete categorias que fazem parte das comemorações do Dia Mundial de Combate à Aids.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 22 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!