Reino Unido é um dos piores lugares para ser trans, mostram novos dados

A Transgender Europe (TGEU) publicou o seu Mapa dos Direitos Trans de 2023, que ilustra a situação jurídica em 49 países na Europa e cinco na Ásia Central. Os países são classificados num mapa codificado por cores, com 30 indicadores em seis categorias jurídicas: reconhecimento legal de género, asilo, crimes/discurso de ódio, não discriminação, saúde e família. Quanto mais indicadores um país tiver, melhor será para as pessoas trans e para os direitos trans.

A Islândia está no topo da lista, com 26 dos 30 indicadores, incluindo o reconhecimento legal do gênero, leis e políticas em matéria de asilo e uma lei sobre discurso de ódio. Há um ano, o país publicou o seu plano de ação sobre questões LGBTQ+, que inclui o fim da discriminação para doadores de sangue queer, formação em questões LGBTQ+ para a polícia e cuidados de saúde “apropriados e imparciais” para homens e mulheres transexuais.

O Reino Unido, no entanto, está muito abaixo nos indicadores de direitos trans, com uma pontuação de 14,25 em 30, ficando perto da Irlanda com 13, dos Países Baixos com 15 e de Portugal com oito. Alguns dos países com pontuação mais baixa em direitos trans incluem a Rússia, que atende apenas cinco dos 30 indicadores, a Turquia, com dois, e a Itália e a Hungria, com oito.

A pontuação baixa do Reino Unido nos direitos dos transgêneros ocorre logo após os comentários anti-trans na conferência do Partido Conservador deste ano. O primeiro-ministro Rishi Sunak disse: “Um homem é um homem, e uma mulher é uma mulher, isso é apenas bom senso”, enquanto o secretário de saúde Steve Barclay propôs proibir mulheres transexuais de enfermarias femininas de hospitais, apesar de um estudo do ano passado ter revelado que não havia houve uma única reclamação sobre o assunto.

Dados divulgados pelo governo em 5 de outubro mostraram que os crimes de ódio transfóbicos na Inglaterra e no País de Gales aumentaram 11 por cento, para 4.732 crimes registrados no ano encerrado em março de 2023. O aumento foi parcialmente preenchido por políticos anti-trans, admitiu o Ministério do Interior. Em novembro de 2022, o TGEU concluiu que a Irlanda tinha a pior prestação de cuidados de saúde para pessoas trans, com Malta a ocupar o primeiro lugar.

Facebook Notice for EU! You need to login to view and post FB Comments!

Bee 40tona

Você vai curtir!