Gerente de lanchonete fast-food obriga funcionário gay a usar crachá com insulto homofóbico

Tyler Brandt, um jovem gay de 16 anos de Dacota do Sul (EUA), entrou com uma reclamação para a “Comissão de Igualdade de Oportunidades no Emprego” e pediu demissão do local de trabalho, depois que seu chefe, John Scott, o obrigou a usar um crachá com a frase “Gaytard” (uma mistura de gay com retardado) para atender aos clientes na rede de fast-food “Taco John’s“.

Tyler, que é assumidamente gay, diz que continuava usando o crachá porque temia perder o emprego, e que ele foi repreendido com o insultos homofóbicos na frente de clientes e colegas de trabalho, quando ele perguntou se poderia tirá-lo. Em uma entrevista concedida para o site “ACLU“, o jovem comentou mais sobre o ocorrido no trabalho.

“Toda vez que eu tinha que ajudar um cliente, eu tentava esconder o crachá. Mas isso não fez muita diferença, porque ele continuava me chamando “gaytard” muito alto na frente dos clientes: ‘Hey, gaytard, ajude este cliente!’ e ‘Tire o lixo, gaytard!’. Foi extremamente humilhante”, disse.

John Scott, o gerente do estabelecimento, disse em entrevista para o Argus Leader, que o adolescente forjou toda a situação e havia pedido para fazer o crachá com o insulto escrito. Em resposta à acusação, Tyler disse: “Por que eu iria querer fazer algo que insulta quem eu sou?”. O jovem também criou um site para chamar a atenção para o assédio moral contra lésbicas, gays, bissexuais e transexuais adolescentes e também para forçar a punição para o gerente.

Veja um vídeo (em inglês) onde o jovem conta sobre o caso e divulga o site criado por ele…

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 21 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!

Comentários no Facebook