Pandemia de Covid-19 provoca redução de consultas e exames de HIV

A pandemia de Covid-19 já traz impactos nas políticas de HIV/Aids e de tuberculose. De acordo com publicação do Folha de S. Paulo, equipes técnicas, de consultas e de exames de rotina, já sofrem reduções.

A publicação mostra que nos programas de Aids, por exemplo, houve redução em 40% das equipes e 35% das consultas. Os serviços de referência relatam queda de 22% das testagens de HIV. Nas ações de tuberculose, 24,5% dos diagnósticos foram atingidos. Os resultados são de uma pesquisa de entidades que acompanham políticas relacionadas a essas doenças. Na primeira etapa do levantamento, 69 coordenadores municipais e estaduais de programas foram ouvidos. Já nas próximas duas fases, serão entrevistados profissionais de saúde e usuários.

No entanto, profissionais que atuam na ponta desses serviços relataram que a situação atual já é pior do que a retratada na pesquisa, feita entre os dias 28 de abril e 10 de maio. “Os atendimentos ambulatoriais de pacientes com HIV foram praticamente paralisados na sua totalidade. Muitos serviços de referência fizeram a mesma coisa. Tudo isso sem nos avisar”, disse Moyses Toniollo, do Conselho Nacional de Saúde, que mora em Salvador (BA), ao Folha.

Ainda de acordo com a publicação, a oferta de Prep (Profilaxia pré-exposição) foi reduzida em 35% nos locais pesquisados. Um quarto dos gestores (25%) nem sequer sabe como os serviços estão operando neste período. E 13% dos entrevistados dizem que não aderiram à recomendação de distribuir antirretrovirais por 90 dias, como recomendado pelo Ministério da Saúde, por problemas com logística e estoque de medicamentos.

A pesquisa também aponta uma redução de 42% das equipes técnicas dos serviços de tuberculose e diminuição de 20% da oferta de consultas por conta das ações para o enfrentamento da Covid-19. O estudo conta com o apoio da Articulação Social Brasileira para o Enfrentamento da Tuberculose (Articulação TB/Brasil), Articulação Nacional de Aids (Anaids), Comitê Comunitário de Acompanhamento de Pesquisas em tuberculose (CCAP TB/Brasil) e do segmento Sociedade Civil da Parceria Brasileira contra a Tuberculose.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!