Pais gays se envolvem mais na vida dos filhos do que heterossexuais

shutterstock

Um levantamento conduzido pela ONG estadunidense GLSEN mostrou que pais gays ou formados por outros casais LGBTs são mais envolvidos na vida escolar dos filhos do que pais heterossexuais.

Segundo a pesquisa, este grupo de pais se voluntaria para auxiliar professores, se envolve em associações de pais e mestres e ajuda a organizar eventos da escola. Para obter os resultados, foram entrevistados 588 pais e 154 estudantes. Além de se envolverem nas atividades da escola, os pais gays e outros pais LGBT relataram um maior nível de preocupação com o futuro educacional de seus filhos e em como eles podem ajudá-los a desenvolver suas habilidades e fazer a lição de casa.

A maioria deles (68%) disse ter entrado em contato com escola para saber mais sobre o programa escolar desse ano. Em nível nacional, apenas 38% dos pais disseram ter feito o mesmo. Estes pais também se mostraram interessados em como questões sobre famílias LGBT são tratadas na escola. Cerca de dois terços (67%) deles relataram que eles falaram com professores na escola de seus filhos sobre ser um pai LGBT e 45% tiveram a mesma conversa com o diretor ao longo do ano escolar.

Além da comunicação com o pessoal da escola, a maioria (56%) dos pais LGBT relatou ter conversas com seu filho sobre o que ele estava aprendendo na escola relacionado a pessoas LGBT. Metade (51%) de todos os alunos relatou se sentir inseguro na escola devido a uma característica pessoal, como a sua orientação sexual, gênero ou raça/etnia. As razões mais relatadas foram a formação familiar, ou seja, ter pais LGBT (23%) ou sua orientação sexual (21%).

O preconceito não vem sempre de outros estudantes, mas também de membros adultos da comunidade escolar. Quase um quarto (21%) dos estudantes sofreu preconceito ou recebeu comentários negativos de pais de outros estudantes especificamente porque tinham pais gays ou outros pais do grupo LGBT.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!