São Paulo registra queda de 74% de óbitos por Aids em 24 anos, aponta estudo

O estado de São Paulo registrou queda de 74% nos óbitos por Aids, 24 anos após registrar o pico de vítimas da doença. De acordo com um estudo da Fundação Seade divulgado nesta terça-feira (27/07),  houve 2.049 mortes em 2019, 5.690 a menos em comparação com o total de 1995, quando foi atingido o recorde histórico de 7.739 de óbitos por Aids em um ano.

Em mais de duas décadas, a taxa de mortalidade despencou, caindo de 22,9 óbitos por 100 mil habitantes em 1995 para 4,6 em 2019. A queda foi ainda maior entre o público masculino: 5.850 homens faleceram em 1995 contra 1.397 em 2019, uma redução de 76,1%. Já no sexo feminino, a queda foi de 65,4%, com 1.889 óbitos contra 652 nesses anos, respectivamente. Os dados mostram a mudança de comportamento sexual entre os sexos. Tradicionalmente, a mortalidade por Aids tinha maior impacto na população masculina, pois, foi prevalente neste grupo entre primeiros registros. Em 1990, a proporção era de seis óbitos de homens para cada um em mulheres. Caiu de 3 para 1 em 1995, e até 2019 manteve-se em 2 para 1.

Essa queda é resultado de um esforço enorme por uma política pública, que se tornou muito bem estruturada no nosso estado. Enquanto o governo federal garantiu os antirretrovirais pelo SUS, o estado ofereceu mais de 200 serviços para um tratamento integral; os municípios trabalharam no diagnóstico precoce com testes rápidos nas UBSs, e a sociedade cobrou esse engajamento e ofereceu suporte para as questões de discriminação“, explicou a Dra. Maria Clara Gianna, coordenadora-adjunta do Programa Estadual de DST/Aids de São Paulo e dedicada ao assunto há 33 anos.

O estudo também mostra que a Aids impactou de forma diferenciada cada grupo etário em São Paulo. A Aids teve maior impacto entre os jovens adultos de 20 a 49 anos, especialmente de 30 a 34 anos, grupo que chegou a registrar 62,2 óbitos por 100 mil habitantes; já em 2019, a taxa de mortalidade nele foi de 4 óbitos por 100 mil habitantes.

VEJA + NO PHEENO TV

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!