Líder de igreja anti-LGBT é preso por cobrar por sexo com garotos no Grindr

Barry Cole Poyner, um dos três líderes que administram a Igreja de Cristo de Kirksville, no Missouri (EUA), foi preso acusado de prostituição condescendente, de acordo com o site Kirksville Daily Express. Segundo registros policiais, Poyner estava “assediando estudantes do sexo masculino por contato sexual, além de oferecer pagar por favores sexuais usando o aplicativo Grindr”.

De acordo com o portal, Barry usava o nome “DILF”, gíria norte-americana usada entre meninos novos que curtem ter relações sexuais com homens mais velhos, no aplicativo. O uso de Grindr por Poyner entra em conflito com a oposição pública da igreja à homossexualidade, compartilhando várias citações bíblicas anti-gays em sua página no Facebook. “Você não sabe que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não se iluda; nem fornicadores, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem homossexuais”, diz o líder da igreja em uma de suas publicações.

A igreja não comentou publicamente a prisão, embora tenha retirado Poyner de uma lista de presbíteros – antes de retirar o site da igreja e a página do Facebook.

Felipe é redator do Pheeno! Focado em explorar cada vez mais a comunicação em tempos de redes sociais, o carioca de 25 anos divide seu tempo entre o trabalho e a faculdade de jornalismo, sempre deixando espaço para o melhor da noite carioca!